O golpe imigratório ao divorciar-se

Por Manuel Padilla*

Grandes mudanças na legislação sobre divórcio entraram em vigor em 6 de abril deste ano.

A Lei do Divórcio, Dissolução e Separação 2020 reforma os requisitos legais e o processo de divórcio. A lei visa reduzir o conflito entre casais divorciados, eliminando a necessidade de um dos cônjuges fazer alegações sobre a conduta do outro cônjuge.

Antes da atual reforma, a fim de obter o divórcio, a parte que inicia o processo necessário para colocar em seu pedido de divórcio um dos motivos de divórcio estipulados na lei, tais como adultério ou comportamento irracional, entre outros.

Em várias ocasiões, a outra parte não concordou com os fundamentos e se opôs ao divórcio. Isto criou ainda mais conflitos entre as partes, atrasou o processo de divórcio e, em alguns casos, impediu que as partes se divorciassem.

O que esta nova legislação faz é permitir que as partes se divorciem sem a necessidade de que uma parte culpe a outra, ou seja, se divorciem por consentimento mútuo.

Também as formas pelas quais a lei impede a contestação de um divórcio, exceto por motivos muito limitados, tais como onde se alega que a Inglaterra ou o País de Gales não é a jurisdição correta para que o processo ocorra.

Apanhados

Em princípio, estas mudanças são obviamente positivas, pois permitem que as pessoas não fiquem “presas” em um casamento no qual não desejam estar. Infelizmente para outros, o divórcio tem implicações para seu status imigratório, pois está ligado à pessoa de quem estão se divorciando. 

Daí surge a pergunta: o que acontece quando uma pessoa que tem um visto baseado em sua relação com seu cônjuge se divorcia? Para responder a esta pergunta, devemos primeiro nos fazer a seguinte pergunta: esta pessoa recebeu um visto sob as regras de imigração do Reino Unido ou sob o Esquema de Acordo da UE?

No primeiro caso, estamos falando de alguém a quem foi concedida licença para permanecer no Reino Unido porque é casado com um cidadão britânico ou alguém que tem licença indefinida para permanecer. Neste caso, se o relacionamento terminar, a pessoa não se qualificará para uma prorrogação do visto ou licença por tempo indeterminado para permanecer. Somente se a pessoa for vítima de violência doméstica ou se o cônjuge morrer é que a pessoa poderá permanecer no Reino Unido com base em seu relacionamento.

Nesses casos, pode haver outras alternativas para que a pessoa continue a residir no Reino Unido, tais como com base em seus filhos, residência de longo prazo no Reino Unido etc.

No segundo cenário, as regras do Esquema de Acordo Europeu permitem que uma pessoa divorciada mantenha seu direito de residência no Reino Unido se as seguintes condições forem cumpridas: 1. Os cônjuges são residentes no Reino Unido há pelo menos um ano, 2. Pelo menos três anos devem ter decorrido entre a data do casamento e a data em que o processo de divórcio foi iniciado, 3. No momento em que o processo de divórcio foi iniciado, o europeu deve ter trabalhado ou ter residência indefinida; e 4. A partir do momento em que a certidão final de divórcio é emitida, a pessoa detentora do visto deve estar trabalhando no Reino Unido.

Em termos gerais, estas são as exigências que uma pessoa precisa satisfazer para manter seu direito de residir no Reino Unido ao se divorciar de um europeu.

* Manuel Padilla Behar é um advogado especializado em leis de imigração e é o proprietário de MPB Solicitors. Você pode entrar em contato com ele aqui: manuel@mpbsolicitors.co.uk

Leia também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.