Marcha com adesão histórica e previsão de mais greves

Por María Victoria Cristancho @mavicristancho

No último fim de semana (18 e 19/06), o Congresso dos Sindicatos do Reino Unido (TUC) liderou uma marcha pelo centro de Londres, com uma alta participação lembrando os protestos históricos dos anos 1970.

Os jornais chamaram a atenção para a onda de agitação econômica, que ameaça se espalhar das ferrovias para os serviços públicos, já que os sindicatos de professores e trabalhadores do NHS alertam para possíveis ações em protesto pelos baixos salários.

Enquanto o país está semiparalisado na rede ferroviária por causa da greve ferroviária entre terça-feira 21 e sábado 25 de junho, outras frentes de protestos salariais estão fervilhando.

O maior sindicato de professores do Reino Unido, o Sindicato Nacional da Educação (NEU), advertiu que, a menos que receba uma oferta salarial muito mais próxima da inflação, convocará uma ação de protesto e possíveis interrupções escolares.

Segundo a imprensa britânica, estão em andamento conversações entre o NEU e o secretário de educação Nadhim Zahawi para anunciar seu plano de convocar uma votação de seus 450.000 membros para aprovar medidas que poderiam levar a greves nas escolas da Inglaterra no outono.

Outro ponto crítico envolve milhões de trabalhadores do NHS até o nível de enfermeira sênior, que estão aguardando uma oferta salarial anual, que deve ser substancialmente inferior à inflação, atualmente em 9,2%.

Nesse momento, o maior sindicato do país, a Unison, que representa o pessoal do NHS, advertiu que o governo agora enfrentava uma escolha entre oferecer um acordo próximo à inflação ou desencadear um êxodo em massa de pessoal junto com uma possível greve nos hospitais, em um momento em que eles já estão muito sobrecarregados.

A perspectiva de greves nos serviços públicos aumentou à medida que a inflação sobe para dois dígitos, mas o Tesouro britânico está desesperado para manter os gastos e os pagamentos do setor público sob controle.

Os comentaristas econômicos ressaltam que o sentimento de crise foi aprofundado pela previsão do Banco da Inglaterra de que a inflação subiria para 11% neste outono, mesmo após o aumento das taxas de juros, o que, por sua vez, fará com que os pagamentos de hipotecas aumentem, ampliando a crise do custo de vida.

Espera-se que as ofertas finais para professores, trabalhadores do NHS e mais milhões no setor público variem entre 3% e 4%.

“Se não houver uma melhora significativa acima de 3%, o que deixará uma diferença de 8% com a inflação somente este ano, não podemos evitar uma votação. O clima entre os professores mudou. No ano passado, o problema foi principalmente a carga de trabalho. Este ano é carga de trabalho e pagamento. Os professores estão fazendo cálculos para ver qual é seu salário por hora. A remuneração já está reduzida em 20% em relação a 2010. As tensões estão se manifestando. Um em cada oito novos professores formados sai no primeiro ano”, disse Kevin Courtney, secretário geral adjunto da NEU, aos repórteres.

Na opinião de Courtney, a menos que o governo oferecesse “significativamente” mais do que os 3% Zahawi apresentados no início deste ano, o sindicato votaria seus membros para avaliar as reações e então poderia organizar uma segunda votação especificamente sobre a indústria.

Leia ainda:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.