A queda de Boris Johnson e o destino do partido conservador

Por Isaac Bigio*

Boris Johnson renunciou à liderança do Partido Conservador no governo em 07/07. Isto significou que ele permanecerá primeiro-ministro britânico até que seu partido eleja um novo líder, algo que provavelmente acontecerá em 3-4 meses.

A data deveria marcar o 17º aniversário do massacre de 7/7 de 2005, quando mais de 50 londrinos foram mortos no mais sangrento ataque terrorista já ocorrido para atingir a maior metrópole da Europa. No entanto, esse fato passou despercebido, pois todos estavam concentrados na bomba jornalística.

Alguns dias antes, Johnson havia declarado que pretendia ganhar mais duas eleições gerais e permanecer pelo menos 10 anos no 10 Downing Street (a residência oficial do primeiro-ministro).

Ele até começou a preparar seus partidários para uma possível eleição geral antecipada, na qual ele gostaria de liquidar os labours e seus rivais dentro de seu partido.

Ziguezagues

Quando Boris Johnson foi prefeito de Londres, tive a oportunidade de organizar uma assembleia com milhares de latinos onde ele se comprometeu a lutar pela anistia aos imigrantes indocumentados. Ele estava fazendo isso para se enraizar com a maioria dos londrinos que pertencem a minorias étnicas.

Entretanto, para ser um líder Tory, ele foi para o campo daqueles que tiraram os direitos de milhões de cidadãos europeus. Agora, além disso, ele iniciou um esquema no qual os requerentes de asilo podem ser transferidos para Ruanda.

Ele até fez isso apesar da oposição do futuro rei, o príncipe Charles (aquele país afro-equatorial tem uma ditadura e sofreu o pior genocídio do final do século 20).

Além disso, quando Johnson era prefeito da capital, ele flertou com uma agenda verde porque os Greens são a terceira maior força eleitoral. Hoje, no entanto, a Johnson exige que se quebre a dependência da Rússia, gerando energia através de nova mineração de carvão poluente e fracionamento (bombeando água para extrair hidrocarbonetos, que polui rios, lagos e reservatórios subterrâneos).

Paciência esgotada

Quando o mês de junho terminou, parecia que a pressão sobre Johnson para se demitir iria acabar. Entretanto, a onda de escândalos chegou a um ponto em que, como disse o primeiro tesoureiro da Johnson, Sajid Javid, “foi demais”.

Ele costumava ser tolerado na crença de que Johnson é o maior vencedor eleitoral que o Reino Unido já teve. Ele venceu em todos os círculos eleitorais onde se candidatou ao Parlamento, as duas vezes em que concorreu a prefeito da capital (ele é o único prefeito conservador que Londres já teve), o referendo Brexit (derrotando todos os primeiros-ministros cessantes ou em exercício, bem como os líderes de todos os principais partidos) e, finalmente, venceu as eleições gerais de dezembro de 2019 com o melhor voto de qualquer líder desde Margaret Thatcher.

O próprio Johnson havia se posicionado como o “homem que entregou” grandes tarefas. Em seu discurso de demissão, vangloriou-se de seus triunfos eleitorais, de ter tirado o país da União Europeia (algo que nunca aconteceu antes naquele bloco continental), de ter sido o primeiro na Europa a vacinar sua população e a sair das restrições da COVID-19, e de ter sido o pilar que colocou o Ocidente por trás da causa ucraniana.

Escândalos

Os Tories tinham aturado as muitas faltas de Johnson (festejar durante a quarentena, receber dinheiro de doadores do partido para consertar sua casa, ter ajudado os Tories a perder dois assentos etc.). Entretanto, a goa d’água foram as acusações contra um de seus homens de confiança, que foi considerado um predador sexual.

No início desta semana, as primeiras demissões ministeriais começaram com a saída dos dois ex-tesoureiros da Johnson (Javid e Rishi Sunak). Em seguida, houve uma debandada de mais de 50 demissões de secretários de Estado, ministros e secretários.

Ao meio-dia da quarta-feira 06/07, Johnson compareceu ao Questionário semanal do primeiro-ministro, onde foi desafiador diante dos apelos para que ele desistisse, argumentando que ele havia conseguido muito e deveria completar seu mandato de cinco anos.

Guerra na Ucrânia

Uma questão chave na eleição do novo primeiro-ministro  é a guerra na Ucrânia. Quarenta anos após a Guerra das Malvinas, Johnson quis imitar o que a então primeira-ministra Tory Margaret Thatcher fez em 1982, quando foi capaz de reverter sua impopularidade interna derrotando militarmente a Argentina.

Desta vez, Johnson quis gerar uma onda de patriotismo anti-russo e apresentar-se como o campeão da unidade ocidental para defender a Ucrânia. O problema é que, mais de quatro meses após o início desta guerra em 24/02, as sanções não param Moscou e, ao contrário, a Ucrânia já perdeu um quinto de seu território, enquanto sua capacidade de reconquistar a maior parte das regiões de língua russa de sua própria república está cada vez mais reduzida.

O certo é que o novo governo não terá o mesmo apoio homogêneo de sua bancada (como Johnson tinha no início de seu mandato) e que pode ser o prelúdio para um novo governo trabalhista (ou para um processo de separação de metade dos quatro países que compõem esta monarquia constitucional).

* Isaac Bigio é cientista político, economista e historiador com diplomas e estudos de pós-graduação na London School of Economics.

Leia mais:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.