PROGRAME-SE

A agenda cultural da comunidade falante de português no Reino Unido

Por Osvaldo Lélis

Hermeto Pascoal – 5 de maio (quinta-feira)

Arranjador, compositor e multi-instrumentista Hermeto Pascoal é uma lenda e figura vital da história da música brasileira.

Conhecido como ‘O Bruxo’, no palco ele tem uma conexão quase espiritual com os outros músicos, que misturam percussão agitada, bossas e sambas alucinantes. Está claro por que Miles Davis afirmou que ele era “o músico mais impressionante do mundo”.

Autodidata, ele aprimorou o ouvido para tons inusitados na oficina de ferreiro de seu avô, ouvindo a música como uma força vital que ressoa organicamente de tudo na terra. Ele continua a transformar objetos do cotidiano em composições extraordinárias, seja através de brinquedos barulhentos, bules velhos ou seu fiel acordeão.

Hermeto se apresenta juntamente com a National Youth Jazz Orchestra de Londres no Barbican Hall, Silk St, Barbican, EC2Y 8DS às 20h com ingressos custando entre £25 e £35 pelo site https://www.barbican.org.uk/ .

Funk brasileiro em Brixton – 13 de maio (sexta-feira)

Mais uma edição da festa Fervo Fluxo acontece em Londres, em Brixton. Celebrando a cultura dos bailes das periferias cariocas, a Fervo traz a essência do funk brasileiro para um novo endereço: o Brixton Jamm, 261 Brixton Road, SW9 6LH.

O baile da Fervo começa às 21h com a presença do produtor Marginal Men, do rapper SD9, parte do movimento BRIME (Brazilian Grime) e dos DJ’s residentes DJ Bia Marques, Fervinho, Blue Canariñho e Daviaa.

Os ingressos custam entre £10 e £22 e podem ser encontrados pelo site https://www.eventbrite.com.

Whindersson Nunes – 15 de maio (domingo)

O humorista anunciou que vai deixar os palcos depois da sua última turnê internacional com o show “Isso não é um Culto”, com passagem pela Europa.

Além de comediante, Whindersson é youtuber, cantor, ator, empresário e escritor, conhecido pelos seus vídeos de humor publicados desde 2013.

Com uma legião de seguidores, o piauiense conta com mais de 56 milhões de seguidores no Instagram, 23 milhões no Twitter, 19 milhões no Tik Tok e 43 milhões de inscritos no Youtube, que gera um engajamento de mais de 3 bilhões de visualizações.

Em Londres, ele se apresenta no The Lighthouse Theatre, 262-274 Camberwell Road, SE5 0DP às 15h30 (abertura dos portões). Os ingressos custam entre £32 e £54 pelo site https://www.eventbrite.co.uk/.

NOTÍCIAS EM PORTUGUÊS INDICA

Filmes brasileiros na plataforma de streaming MUBI

A plataforma de streaming MUBI, conhecida no meio dos cinéfilos e estudantes, possibilita o acesso a filmes clássicos, mas também são apresentadas produções que são destaque nos festivais de cinema, mas que não têm espaço no circuito tradicional de exibições.

Para acessar seu conteúdo é necessário assinatura, que custa £9.99/mensal, mas fique de olho que ocasionalmente a plataforma lança promoções onde é possível pagar £1/mensal pelo período de 3 meses. Além disso, é possível fazer um teste gratuito por 7 dias. Mais informações pelo site https://mubi.com/.

Com um catálogo variado com produções de diferentes países, o cinema brasileiro está muito bem representado na plataforma. Listamos abaixo alguns dos filmes brasileiros disponíveis na plataforma que são imperdíveis!

Limite (1931)

Considerado uma obra-prima brasileira, o primeiro e único filme de Mário Peixoto foi quase perdido devido à devastação do tempo. Admirado pelos cineasta americano Orson Welles e pelo russo Sergei Eisenstein, este conto vanguardista de amor condenado está composto de imagens impressionistas que casam paisagens e formas humanas.

Limite foi restaurado em 2010 pela Cinemateca Brasileira em parceria com a Cinemateca de Bologna na Itália.

Dona Flor e seus dois Maridos (1976)

Feito durante a ditadura militar do Brasil, o longa de Bruno Barreto é sensual e sombrio, impulsionando Sônia Braga de estrela de novela a divindade nacional.

Baseado no romance homônimo de Jorge Amado, Dona Flor foi por 34 anos a maior bilheteria da história do cinema brasileiro. Além de Sônia Braga, o longa conta com nomes como José Wilker e Mauro Mendonça.

Pixote, a Lei do mais Fraco (1980)

Dirigido por Hector Babenco e baseado no livro Infância dos Mortos, do escritor José Louzeiro, Pixote construiu um dos mais cruéis retratos da realidade nas ruas de São Paulo, onde diversas crianças têm sua inocência retirada ao entrarem em contato com o mundo do crime, da prostituição e da violência. Pixote apresenta Fernando Ramos da Silva (morto posteriormente aos dezenove anos de idade por agentes da Polícia Militar de São Paulo) como o personagem-título e Marília Pêra como a prostituta Sueli.

O filme se tornou um sucesso de crítica, sendo aclamado tanto nacionalmente quanto internacionalmente, com diversos críticos estrangeiros elegendo-o como um dos dez melhores filmes realizados naquele ano; o filme foi indicado ao Globo de Ouro na categoria de melhor filme estrangeiro.

Que horas ela volta? (2015}

Com direção de Anna Muylaert e com prêmios em Sundance e Berlim, esta comédia dramática é penetrante em sua representação das distinções de classe do Brasil, mas profundamente comovente. Regina Casé encantou o público com sua atuação sincera como a empregada leal de uma casa rica – cujos códigos sociais sua filha, interpretada por Camila Márdila, vai perturbar.

Em dezembro de 2015, foi eleito um dos cinco melhores filmes estrangeiros do ano pela organização norte-americana, National Board of Review. No mesmo mês foi eleito o melhor filme do ano e entrou na lista dos 100 melhores filmes brasileiros segundo a Associação Brasileira de Críticos de Cinema.

Bacurau (2019)

Dirigido por Kleber Mendonça Filho (Aquarius) e Juliano Dornelles, o filme é uma mistura ousada de western, thriller e alegoria política – repercutindo poderosamente o Brasil de hoje, onde o filme foi um sucesso de bilheteria!

Bacurau foi o vencedor do Prêmio do Júri do festival de Cannes e é estrelado por Sônia Braga, Udo Kier, Bárbara Colen, Silvero Pereira, Thomas Aquino e Karine Teles.

Mais filmes

Além dessas, outras produções também estão disponíveis: A Vida Invisível de Eurídice Gusmão (2019), de Karim Ainouz e inspirado no romance homônimo de Martha Batalha (2015); Chuva é cantoria na aldeia dos mortos (2018), de João Salaviza e Renée Messora; As boas maneiras (2017), de Juliana Rojas e Marco Dutra; Menarca (2020), de Lillah Halla; Os famosos e os duendes da morte (2009), de Esmir Filho; e Vil, Má (2020), de Gustavo Vinagre.

Leia também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.