Reino Unido: Infecção por COVID-19 ainda elevada, mas em queda, com alta eficácia vacinal

1 em 64 pessoas no Reino Unido está infectada com o coronavírus, aponta estudo do Imperial College London e Ipsos MORI, abrangendo o período de 19/10 a 5/11 de 2021 (ronda 15 do estudo).

Os dados mostram que a prevalência de infecções por coronavírus (COVID-19) é agora de 1,57%.

Esta é uma queda nas taxas de infecção desde a publicação de um relatório provisório abrangendo o período de 19 a 29/10/2021, que mostrou que a prevalência de infecções por COVID-19 tinha aumentado para 1,72%, ou cerca de 1 em 58 pessoas em geral.

Nos últimos 3 relatórios, verificou-se que as pessoas com idades compreendidas entre os 12 e os 17 anos que tinham uma única dose de vacina tinham 56% menos probabilidades de desenvolver a infecção do que as não vacinadas.

As pessoas que receberam um reforço ou terceira dose têm, em média, cerca de dois terços menos probabilidade de serem infectadas do que as que tomaram 2 doses de vacina. Relatórios REACT anteriores mostraram que 2 doses reduzem as taxas de infecção em 60%.

Mais de 100.000 voluntários em Inglaterra participaram no estudo para examinar os níveis de COVID-19 na população em geral entre 19/10 e 5/11.

Quase 12% das amostras positivas sequenciadas foram da sub-linha Delta AY.4.2., que a UKHSA classificou como uma Variante em Investigação (VUI). A UKHSA continua a monitorizar a propagação desta variante e a investigar os factores subjacentes à sua crescente prevalência.

As principais conclusões do relatório são as seguintes:

Houve 1.399 resultados positivos de 100.112 testes, o que dá uma prevalência ponderada de 1,57%.

A prevalência actual está perto de ser duas vezes mais elevada do que a prevalência na ronda completa anterior 14 (9 a 27/09/2021), que foi de 0,83%.

Hora da terceira dose

Desde 22/11, o Serviço Nacional de Reservas está aberto a pessoas com idades compreendidas entre os 40 e 49 anos para a sua vacina de reforço, e a jovens com idades compreendidas entre 16 e 17 anos para a sua segunda vacina de reforço.

Pesquisas mostram que 2 semanas após receber uma dose de reforço, a protecção contra infecção sintomática em adultos com 50 anos ou mais foi de 93,1% naqueles com Oxford/AstraZeneca como curso primário e 94,0% para a Pfizer-BioNTech.

Isto significa que as pessoas que tiverem tido a sua vacina de reforço até 11 /12 terão uma protecção muito elevada contra a COVID-19 até ao dia de Natal. Na sequência de um aumento dos casos e de um regresso das restrições de encerramento na Europa, as pessoas elegíveis para um reforço foram instadas a aceitar a oferta o mais rapidamente possível para se protegerem a si próprias, às suas famílias e ajudarem a reduzir a pressão sobre o NHS.

As pessoas elegíveis para um reforço podem marcar com antecedência – 5 meses após a sua segunda dose – para serem vacinadas logo que atinjam a marca dos 6 meses, e o Serviço Nacional de Reservas está aberto para as pessoas com mais de 40 e jovens com idades compreendidas entre 16 e 17 anos.

Quase 6 em cada 10 jovens dos 16 aos 17 anos já tomaram uma primeira dose em Inglaterra, reduzindo a transmissão e ajudando a reduzir a quantidade de educação perdida. As segundas doses irão completar ainda mais esta protecção durante os meses de Inverno.

As pessoas podem reservar ligando para 119 ou ser vacinadas em centenas de pontos de entrada em todo o país 6 meses após a sua segunda dose sem marcação. As pessoas elegíveis podem utilizar o localizador em linha do NHS para localizar o sítio mais conveniente.

Fonte: Gov.uk

Imagem: Unsplash

Também pode interessar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.