Seven Sisters resiste: a força da comunidade

Por Ulysses Maldonado F.

Comerciantes em Elephant and Castle, em Southwark, sul de Londres, e Seven Sisters Market, também conhecido como Pueblito Paisa, em Haringey, no norte, tornaram-se os protagonistas de ferozes batalhas com as suas respectivas autoridades locais para evitar serem deslocados.

Há inúmeras campanhas lideradas por comerciantes tanto em Seven Sisters como em Elephant and Castle para elaborar planos de reabilitação que tenham em conta estas comunidades vulneráveis.

Estes espaços para os latino-americanos em Londres estão actualmente ameaçados. A reportagem de Notícias em Português entrevistou alguns dos protagonistas que têm lutado para os proteger e salvar esses espaços da comunidade.

Seven Sisters Market

Localizado no coração de Seven Sisters, foi durante décadas um mercado próspero para as comunidades e empresas de minorias étnicas e de classe trabalhadora. É o lar da segunda maior comunidade latina no Reino Unido.

O Pueblito Paisa, que foi estabelecido nos anos 1990 como o segundo maior centro comercial da América Latina em Londres, tem sido destinado ao reordenamento desde a aprovação dos planos em 2012.

Marta Hinestroza, uma das comerciantes do mercado e porta-voz do Centro Comunitário Pueblito Paisa, fala-nos dos últimos desenvolvimentos no processo com o proprietário do terreno, Transport of London (TfL), que emitiu declaração denunciando que o acesso ao portão foi afectado porque alguém quebrou e substituiu as fechaduras.

A TfL tem insistido para que os comerciantes assinem uma licença, o que significa acatar com o novo projeto que prevê como recompensa um período de aluguel gratuito de três meses. Para os que já assinaram a licença, a taxa de aluguel passa a ser cobrada a partir de 1 de dezembro de 2021.

A TfL afirma que é injusto para certos comerciantes pagar uma taxa de licença quando alguns dos seus vizinhos continuam a ocupar instalações não licenciadas e não a pagam. “Não podemos permitir que uma tal situação surja”, diz em documento a empresa.

Se o comerciante não devolver a licença assinada, a TfL assumirá que não deseja ser considerado para um espaço de mercado temporário a médio ou longo prazo.

A empresa procura agora a próxima fase de financiamento do projecto, que será de cerca de £10 milhões no total.

À medida que casas, lojas e ruas são demolidas para dar lugar a novos edifícios, muitas comunidades locais, outrora unidas entre si, estão à beira do abismo.

Também pode interessar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.